Ler por aí… em Hamburgo, Alemanha: História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar, de Luís Sepúlveda

Ler por aí… em Hamburgo, Alemanha: História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar, de Luís Sepúlveda

Cuidado! Esta página pode conter links de afiliados para lhe enganar a cabeça e fazer comprar coisas de que não precisa. Se se deixar perder, faça-o por aqui, estará a apoiar este projecto e ficamos muito gratos.

 

 – Banco de arenques a bombordo! – anunciou a gaivota de vigia, e o bando do Farol da Areia Vermelha recebeu a notícia com grasnidos de alívio.
Iam com seis horas de voo sem interrupções e, embora as gaivotas-piloto as tivessem conduzido por correntes de ar cálido que lhes haviam tornado agradável aquele planar sobre o oceano, sentiam a necessidade de recobrar forças, e para isso não havia nada melhor do que um bom fartote de arenques.”

História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar

Gaivotas em terra, dizem, tempestade no mar. No caso da gaivota Kengah, tratou-se de uma tempestade negra: foi uma maré negra de petróleo que a forçou a ir para terra e quase a matou. Uma maré negra no Mar do Norte, junto à foz do rio Elba, na Alemanha, ponto de encontro de rotas migratórias das gaivotas.

 

Migrações

Estive a investigar. Kengah poderá bem ser uma gaivota de asa escura, que no final do Verão migra de Norte para Sul, e passa o Inverno em países como Portugal. Será talvez uma das nossas gaivotas – que vemos na Praça do Comércio ou nas Berlengas… ou como aquela que nos roubou o croissant na Boca do Inferno.

Estive a investigar. As gaivotas em terra são cada vez menos devidas a tempestades no mar. Elas estão a aprender que é mais fácil roubar comida do que caçá-la. O lixo comestível que displicentemente abandonamos nas ruas das grandes cidades, ou que cresce nas lixeiras a céu aberto, é uma tentação para as gaivotas, que começam a ser consideradas uma praga em alguns locais.

Estive a investigar. Encontrei este estudo interessantíssimo na revista Behavioural Ecology, da Universidade de Oxford, financiado pela Agência Espacial Europeia: “Migration strategy of a flight generalist, the Lesser Black-backed Gull Larus fuscus.” A rota das gaivotas de asa escura coincide com a do Bando do Farol da Areia Vermelha, descrita logo no início do livro. No final de Agosto, bandos de gaivotas voam desde as praias e escarpas do Mar do Norte e do Báltico, passam pela foz do rio Elba e juntam-se a outras vindas do Norte de França, Bélgica, Holanda, Dinamarca, e Norte da Alemanha e da Polónia, para depois seguirem para Oeste, em direcção ao canal da Mancha:

No plano de vôo estava previsto que seguiriam depois até ao estreito de Calais e ao canal da Mancha, onde seriam recebidas pelos bandos da baía do Sena e de Saint-Malo, com os quais voariam juntas até chegarem aos céus da Biscaia.

Seriam então umas mil gaivotas que, como uma rápida nuvem cor de prata, iriam aumentando com a incorporação dos bandos de Belle-Île e de Oléron, dos cabos de Machicaco, do Ajo e de Peñas.

Quando todas as gaivotas autorizadas pela lei do mar e dos ventos voassem sobre a Biscaia, poderia começar a grande convenção das gaivotas dos mares Báltico, do Norte e Atlântico.”

Luís Sepúlveda também esteve a investigar.

 

No porto de Hamburgo

Zorbas vive em Hamburgo, e esta é a cidade onde nasce Ditosa, pinto de gaivota do ovo posto na sua varanda por Kengah. Como bom gato do porto, vai cumprir o prometido a Kengah, que é ensinar a juvenil a voar. Estamos portanto nas imediações do porto de Hamburgo, o terceiro maior porto da Europa.

Durante toda a história desta gaivota, deste que Zorbas conhece Kengah, esta morre, Ditosa nasce e finalmente aprende a voar, durante toda a história, Zorbas faz-se valer da ajuda dos seus amigos gatos, Sabetudo, Colonello, Secretário e Barlavento, e fazem do Bazar do Harry seu quartel general. Mas Harry não aparece na história, apenas Matias, o seu chimpanzé e porteiro. Apenas no fim, quando reconheceram que sozinhos não iriam conseguir pôr aquela gaivota a voar, é que pediram ajuda a um humano, “o humano”, um poeta. É do cimo da torre da igreja de São Miguel que Ditosa se lança a voar:

Do campanário de São Miguel via-se toda a cidade. A chuva envolvia a torre da televisão e, no porto, as gruas pareciam animais em repouso.

A gaivota estendeu as asas. Os projectores banharam-na de luz e a chuva salpicava-lhe as penas de pérolas. O humano e o gato viram-na erguer a cabeça de olhos fechados.

Ditosa voava solitária na noite de Hamburgo. Afastava-se batendo as asas energicamente até se elevar sobre as gruas do porto, sobre os mastros dos barcos, e depois regressava planando, rodando uma e outra vez em torno do campanário da igreja.”

 

 

Luís Sepúlveda

Luís Sepúlveda, foto retirada do website do CEI - Centro de Estudos Ibéricos, em http://www.cei.pt/pel/2016-luis-sepulveda.html
Luís Sepúlveda, foto retirada do website do CEI – Centro de Estudos Ibéricos, em http://www.cei.pt/pel/2016-luis-sepulveda.html

Luís Sepúlveda nasceu em 1949 em Ovalle, a Norte de Santiago do Chile. Estudou teatro e trabalhou nos assuntos culturais da administração de Salvador Allende. Com o golpe de Augusto Pinochet, foi preso, acabando por se exilar no Brasil, entre outros países, e depois no Equador, onde participou numa missão da UNESCO junto dos índios Shuar. Viveu 14 anos em Hamburgo, onde colaborou com a Greenpeace. História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar (1996), Patagonia Express (2004) e O Velho que Lia Romances de Amor (1989) são os seus livros mais conhecidos. Este último foi adaptado ao cinema por Rolf de Heer em 2001. Entre outros prémios, recebeu o Prémio Eduardo Lourenço, atribuido pelo Centro de Estudos Ibéricos.

Luís Sepúlveda faleceu em Abril de 2020, vítima de Covid-19. Foi homenageado este ano pelas Correntes de Escritas, que encerraram com a leitura colectiva, pela equipa, da História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar.

 

 

Hamburgo

O porto de Hamburgo e a barra de São Paulo, foto de Batintherain retirada da Wikipedia, em https://en.wikipedia.org/wiki/Port_of_Hamburg
O porto de Hamburgo e a barra de São Paulo, foto de Batintherain retirada da Wikipedia, em https://en.wikipedia.org/wiki/Port_of_Hamburg

O porto de Hamburgo aproveita o estuário do rio Elba, e Hamburgo acaba por se situar a mais de 100 quilómetros do litoral. É uma cidade dominantemente portuária, de água, canais e pontes.

Segundo Rafaela e Rafael, da Viagem Hamburgo, tem a maior concentração de milionários da Alemanha, e tornou-se um importante centro de comércio no século XII quando Frederico Barbarosa concedeu à cidade o direito de navegabilidade e livre comércio, e a libertou dos impostos imperiais.

O hamburger é o bife de Hamburgo. Comia-se no navio que levava emigrantes de Hamburgo para a América, e logo começou a ser servido no porto de Nova Iorque: um pedaço de carne picada no pão. Dizem que era a comida de nostalgia dos emigrantes, imigrantes agora que tinham chegado a terras americanas. No século XVIII aparece num livro de receitas inglês a Hamburger Sausage, um enchido feito de carne picada bem temperada, com vinho e rum inclusive, e servido no pão. Mas muito lá atrás, os romanos comiam a Isicia Omentata, um prato em que a carne picada era temperada com pinhões e garum, a tal conserva de peixe produzida no Algarve. Terá certamente sido entretanto adoptada pelos bárbaros. Não sabemos.

 

Margarida Branco
© Ler por aí… (2021)

 

 

Outras edições do livro:

Em castelhano (língua original), edição Tusquets
Em castelhano (língua original), edição Tusquets
Em inglês, edição Alma Books
Em inglês, edição Alma Books
Em italiano, edição Salani
Em italiano, edição Salani

Ler por aí… na Alemanha: outras sugestões

Ler por aí... em Berlim, Alemanha: A Sétima Porta, de Richard Zimler

O Jogador, de Fiódor Dostoievski
O Jogador, de Fiódor Dostoievski
Os Buddenbrook, de Thomas Mann
Os Buddenbrook, de Thomas Mann
O Espião que Saiu do Frio, de John Le Carré
O Espião que Saiu do Frio, de John Le Carré
Tintin - A Estrela Misteriosa, de Hergé
Tintin – A Estrela Misteriosa, de Hergé

 

 

 

 

 

 

 

Ler por aí… outros livros com gatos

Uma Velha e o seu Gato e a História de Dois Cães, de Doris Lessing
Uma Velha e o seu Gato e a História de Dois Cães, de Doris Lessing
O Gato, o Ankou e o Maori, de Michel Rio
O Gato, o Ankou e o Maori, de Michel Rio

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Mantenha-se a par do que fazemos. Siga-nos: FacebooktwitterpinterestrssinstagrammailFacebooktwitterpinterestrssinstagrammailby feather

Adorou esta página? Partilhe com os seus amigos, vão se apaixonar! FacebooktwitterredditpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwitterredditpinterestlinkedintumblrmailby feather

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.