Ler por aí… no Panamá

Esta é a viagem de Sigbjorn Wilderness e Primrose, de Vancouver para Roterdão, a bordo do N/M Diderot, entre 7 de Novembro e 17 de Dezembro de 1947. A narrativa pára no Farol de Bishop, ao largo da costa da Cornualha, Inglaterra, com o navio destroçado, após uma violenta tempestade.

Gostou desta leitura? Partilhe-a
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Subscreva
SHARE

Ler por aí… no Alto Minho

Considerada por muitos a obra-prima de Aquilino Ribeiro, A Casa Grande de Romarigães narra o apogeu e a decadência das casas fidalgas. Trata-se de “uma crónica romanceada” como o próprio autor a define, e no prefácio narra as peripécias de sua composição, inclusive respondendo ambígua e jocosamente a um “académico de Argamasilha, ou lente de Coimbra”: “- Um romance… ? Deus me livre!”

Gostou desta leitura? Partilhe-a
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Subscreva
SHARE

Ler por aí… no Huambo, Angola

 “Hosi Mbueti decidiu voltar a Angola uma certa manhã, estava ainda deitado. Havia dez anos que estava refugiado na Zâmbia, pois fugira de Angola durante a guerra civil de 1975. Reuniu toda a sua energia e saltou da cama de solteiro, fazendo gemer as molas. Tinha alugado aquele pequeno quarto à Sra. Banda. Era tão […]

Gostou desta leitura? Partilhe-a
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Subscreva
SHARE

Ler por aí… em Turim, Itália

O que caracteriza os números primos é serem apenas divisíveis por si próprios e pela unidade. Um número primo não tem divisores, vale por si. Nenhum outro faz parte da sua composição.

Gostou desta leitura? Partilhe-a
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Subscreva
SHARE

Ler por aí… em Uppsala e Estocolmo, na Suécia

Os animais têm faculdades ainda inexplicáveis pela racionalidade. Os gatos, em particular, são seres misteriosos, que desde os tempos mais antigos estão associados a superstições e rituais sagrados. Este gato percebeu (na falta de melhor palavra) que os donos não podiam embarcar no grande navio Vasa. Não se sabe com que sentido o percebeu. Mas conseguiu salvá-los do naufrágio.

Gostou desta leitura? Partilhe-a
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Subscreva
SHARE

Ler por aí… em Goa, na Índia

Acompanhamos a família Zarco desde O Último Cabalista de Lisboa – Tiago é bisneto de Berequias. Três gerações mais tarde, a família que saiu de Lisboa para Constantinopla, partiu para Goa.

Gostou desta leitura? Partilhe-a
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Subscreva
SHARE

Ler por aí… na Graça, Lisboa

Júlia foi uma mulher da primeira república. Não somos informados de onde nasceu, apenas que foi em Lisboa. Reconhecemos, nascidos no mesmo ano que Júlia (que pertenceu à maioria que foi esquecida), quatro figuras que ficaram lembradas: D. Manuel II, António de Oliveira Salazar, o Cardeal Cerejeira, e Fernando Pessoa. Ao longo da narrativa, vão-nos sendo dadas notas do percurso destas figuras, sempre que o de Júlia neles tropeça.

Gostou desta leitura? Partilhe-a
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Subscreva
SHARE

Ler por aí… em Pemba, Moçambique

Baseando-se em apenas uma referência espacial concreta, pode especular-se que esta história se passa numa aldeia – Vila Cacimba, aldeia imaginária – perto de Pemba (antiga) Porto Amélia, na costa Norte de Moçambique. É em Porto Amélia que o negro Bartolomeu Sozinho afirma, com orgulho, ter ingressado ao serviço da Companhia Colonial de Navegação.

Gostou desta leitura? Partilhe-a
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Subscreva
SHARE

Ler por aí… em Quioto, Japão

Rakushisha é a Cabana dos Caquis Caídos, a cabana que serviu de morada a Kiorai, discípulo de Basho. Basho foi um poeta de haiku, os poemas de três versos japoneses. No século XVII, Basho procurou a realização espiritual em forma de haiku.

Gostou desta leitura? Partilhe-a
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Partilhe
Subscreva
SHARE